Como estamos encarando o coronavírus

O que se tornou tão importante para a vida de cada um de nós vivendo nesse tempo de pandemia?

O que dávamos tanto valor, que, hoje ao analisar profundamente, de fato, não há?

Como o vírus está mudando nossas vidas?

Como estamos encarando as situações do cotidiano?

Como estamos vivendo nosso tempo?

Como estamos lidando com as pessoas com ou sem máscaras?

Ficar em casa ou aquecer a economia?

Tornamos-nos mais corajosos ou estamos com medo diante de um mundo incerto?

Sendo incerto, temos que estar preparados para as mudanças que virão, o tal do novo normal.

Mas será que antes estava tudo normal?


Normal para quem?


Sim, estamos vivendo uma revolução, onde transformações profundas ocorrerão não somente por protocolos governamentais ou científicos, mas porque comportamentos e crenças terão de ser revistos. Nada será mais do mesmo.

O vírus está aí para nos ensinar que ele escolhe quem ele quiser, não fazendo distinções de classes sociais, fortes ou fracos e pretos ou brancos.

Prova disso é que jovens estão morrendo e muitos que fazem parte do grupo de risco estão se curando.

Ele é invisível e por isso muitos têm suas justificativas para não “enxergá-lo”.

Além de mãos, olhos de serem limpos do embaço e mentes curadas da atrofia que a ignorância

pode causar.